Tornar-se num Designer de Interiores

A ideia generalizada que circula é a de que um “designer” de interiores tem como função a escolha da combinação de cores para as paredes, da mobília de uma casa ou escritório e talvez dos tapetes e cortinados decorativos. Embora um “designer” de interiores possa também executar todas estas tarefas, esta é normalmente a função associada aos decoradores de interiores profisgraphic-designer-1288477_960_720sionais.

O “designer” de interiores tem a seu cargo responsabilidades bem mais complexas, para além de eventuais decisões estéticas. Estas incluem a gestão de meios para a iluminação, incluindo a conjugação de iluminação natural e artificial, o planeamento do espaço, a conjugação de cores, a elaboração de estimativas e orçamentos e a subcontratação para o fabrico e a instalação de elementos como o chão, a iluminação, os estores, a mobília, entre outros.

Cada vez mais “designers” de interiores participam hoje em dia no projeto arquitetónico e por isso necessitam de ter conhecimentos específicos para um planeamento bem feito e seguro, incluindo lidar com plantas e modelos. E hoje em dia tudo isto implica uma forte componente tecnológica, pelo que o conhecimento de programas como o AutoCAD será essencial. Existem depois todos os aspetos legais, como as regras de segurança e as leis locais que regem a construção.

Assim, para se tornar “designer” de interiores, será necessário completar uma formação formal, que pode ser alcançada através de um curso superior ou de cursos profissionais em escolas técnicas. Estes cursos proporcionam uma aprendizagem aprofundada e essencial sobre todos os aspetos que acima referimos, preparando o estudante com bases sólidas para que seja bem-sucedido.

Recomendamos que, após o término dos estudos, o recém-formado “designer” de interiores faça um estágio com uma empresa, de forma a adquirir conhecimentos no terreno e, quem sabe, poder depois do estágio ficar na empresa, iniciando assim o seu percurso no mercado de trabalho da área que escolheu.